segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Nunca Seremos da Realeza

HELLO.
No comecinho do ano passado fui transferida de sala. Não foi culpa minha, a lista de desafetos na sala em que fui posta era grande demais pra tolerar. Depois de algum choro, e certo desespero (desnecessário, admito) consegui ir parar em uma nova classe. E graças a uma adorável secretária da escola, pude até escolher a turma que queria estar. E pra começar do zero, escolhi uma classe em que não conhecia absolutamente ninguém. Hoje eu vejo que foi uma boa ideia, a melhor de todas na
verdade (mais isso é assunto pra outro dia). Aquilo era uma oportunidade pra viver novas
experiencias, e o melhor de tudo, fazer novas amizades.
Então, no começo do ano letivo, colei em uma galera que não tinha nada a ver comigo, e custei para ver isso. E é aqui que a crônica realmente começa (foi mals ae). Eu nunca conseguiria me adaptar ali.
Não que eles não fossem boas pessoas (não estou aqui julgando caráter de ninguém). Só eram um tanto quanto fúteis. Conversavam demais sobre festas que frequentavam nos fins de semana, comidas caras que comiam e viagens que faziam. Nunca fui tão alienígena quanto naqueles dias. Quando falavam sobre marcas de roupas e acessórios, era como se o nosso idioma não fosse o mesmo. Acho que foi naquela época que a ideia de escrever esse texto surgiu.
-E você Paloma, o que tem feito de bom?
-Passei o feriadão lendo um livro novo de aventura que ganhei, isso conta?
Sempre soube que dinheiro não significa nada. E isso ficou ainda mais claro em 2014. Ao longo do ano passado, assisti a pessoas que são próximas a mim se tornarem seres humanos infelizes, entrarem em depressão e se afundarem em problemas. Todas pessoas de uma ótima condição. Que tinham dinheiro pra ''comprar'' a tal da felicidade. Mas não a tinham de verdade.
Eu não tiro o seu direito de ''ostentar''. A gente trabalha demais, devíamos ter ao menos o poder de exibir o que conseguimos com nosso suor. Mas tornar dinheiro sinônimo de felicidade é ridículo! 
Seu dinheiro pode te dar um cabelo legal e roupas da moda. Pode até ''consertar'' seu corpo se você quiser. Então que legal pra você que se importa com isso cara! O seu dinheiro pode te levar a lugares incríveis, baladas frequentadas por gente famosa, ou até viagens para os lugares mais exclusivos do mundo. Então divirta-se com isso!
Mas procure ai dentro de você o que realmente te deixou feliz. Não foi a viagem, foi poder estar com seus pais ou amigos nela. Você nunca imaginou que ficaria tão próximo deles né? Não foi a balada, foi o cara que você conheceu lá. Não foi a roupa ou a maquiagem caríssima, foi como você se sentiu super confiante ao usa-las.
E se a felicidade vem de motivos extremamente opostos a esses, então você deve ter algum problema.
Dinheiro é bom...é bom demais! Viajar, fazer compras, conhecer gente nova em uma balada, ter uma roupa da moda...tudo isso é muito bom! Mas a felicidade esta nos pequenos e sutis momentos da vida que você não pode comprar com grana. Que você não pode comprar com nada.
Meu nome é Paloma, e eu não tenho grana pra sair em todos os fins de semana e nem pra comprar todos os livros que quero. Eu costumava frequentar a lanchonete todo fim de tarde com meus amigos. Nós dançamos na rua quando da vontade (me diga o quanto de classe isso tem?). Eu sempre gasto meu dinheiro em bobagens, e a maioria é de comer. Eu amo brigadeiro de panela, e o arroz doce da minha mãe. Eu gosto de ser convidada a festinhas de aniversário infantis. E um dos melhores lugares do mundo pra mim é a biblioteca do meu bairro. Sou terrível socializando (mas tento) e viro as madrugadas assistindo a comédias românticas. Gosto de ver a felicidade nas coisas mais simples da vida, e... ah, eu não me importo com quanto dinheiro você tem, ou o quanto eu tenho. Eu não ligo pra esse tipo de bobagem.

14 comentários:

  1. Eu amei o texto. Acho que a gente passa a entender o real sentido da felicidade, quando percebemos os pequenos momentos que nos envolvem e como eles nos fazem bem. Confesso que nunca me senti um alien na minha sala, estudo na mesma a 11 anos com as mesmas pessoas, difícil, não? Ninguém ali era rico, aliás, minha cidade é pequena demais pra ostentar qualquer família, mas a gente se divertia, ah e como, e um exemplo disso foi a nossa formatura, ano passado, gastamos tão pouco, batalhamos muito pra ter a melhor formatura que pudéssemos, e acabou que o que marcou foi a festa em si, estar lá com as pessoas que eu convivi minha toda, e aquilo soou tanto como uma despedida, que ficou difícil não chorar no final. De fato, dinheiro não compra nada, se comparado ao que o ser humano pode trazer. Belíssimo texto, parabéns! Beijos

    http://desfocandoideias.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me senti um alien na escola várias vezes Natalia. Ninguem lá era muito privilegiado também (nessa questão de dinheiro), mas queriam aparentar ser. E eu simplesmente nunca consegui dar bola pra essas coisas. Eu sou o que sou, e não tento ser diferente disso.
      Também fiz minha formatura ano passado. Não foi um hiper mega evento, mas quem eu gostava estava lá. E isso já tornou a ocasião perfeita e me fez feliz (alias, chorei horrores).
      Fico muuuuito feliz que tenha curtido o texto.
      Beijão♥

      Eliminar
  2. Parabens disse tudo. Amei !
    E tambem sou assim, nao tenho quase dinheiro nenhum e o que tenho gasto em livro. super me identifiquei com seu texto

    ResponderEliminar
  3. Temos que buscar nossa felicidade dentro da gente e não serão coisas materiais que irá nos deixar 100% felizes.
    Parabéns pelo texto.
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderEliminar
  4. Gente, Adorei seu texto parabéns foi mt bom vc falou de um assunto que todos já falaram mas de sua maneira própria adorei.
    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Olá parabéns pelo site, muito interessante. Já estou lhe seguindo. Aproveitamos a oportunidade para também compartilhar o nosso. Ficaremos felizes por vossa visita e mais ainda se nos seguir-nos.

    Atenciosamente

    Josiel Dias
    http://josiel-dias.blogspot.com
    Rio de Janeiro
    Brazil

    ResponderEliminar
  6. Paloma, a cada dia que passo me adimiro mais com seus textos! Super concordo com você, dinheiro pode consertar o corpo, deixar seu cabelo liso, bonito e loiro! Mas a felicidade nenhum dinheiro compra, amei seu texto! Beijãao, continue assim <3

    ResponderEliminar