segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Ela

Aquela era a garota mais bonita que eu já havia visto. Cabelos longos e pretos, na boca vermelho sangue, olhos castanho claro. Mas a beleza não se devia a aparência física, aquela jovem tinha um brilho no olhar, de quem acabará de conhecer o mundo. Ela acreditava no amor verdadeiro, na bondade das pessoas, e nas energias ao nosso redor. Ela gostava de sentir o vento no rosto quando viajava de carro, gostava de encontrar flores por as ruas, gostava de fazer alguém se sentir especial. 

Ela entrava nos filmes que assistia, nos livros que lia, nas músicas que ouvia. Tinha crises de riso até ficar vermelha e a barriga doer. Dançava de meia por a casa, cantava enquanto cozinhava besteiras pra si mesma, deitava no sofá e passava horas vendo desenhos animados. Ela enfrentava o mundo sem ninguém do lado, e danem-se as consequências. 

Se apegava fácil demais, mas quando sofria, doía até a alma. Seu brilho surgia com a luz do sol e se escondia nos dias nublados. Seu humor variava conforme a previsão do tempo.

Aquela garota gostava de passar os fins das tardes de verão escrevendo e sonhando com o que idealizara como paraíso. Eu queria poder voltar no tempo e avisa-la de que já havia encontrado a paz ali mesmo. 

- Se acalma menina! Não cria raiva do mundo não!

Eu queria contar pra ela que a vida é assim mesmo, resumida em fases. Que nem sempre aquilo com o que a gente sonha é exatamente como imaginamos. Que saber lidar com as consequências é difícil mas não impossível. Que não a mal que dure para sempre. Mas nesse momento ela não acreditaria.

Agora ela vive correndo de uma canto a outro, almoça fora de casa e longe da família, chora pelos cantos e de baixo do chuveiro. Seu coração foi lentamente cultivando magoas e ódio, e eu tenho medo de não poder retroceder esse processo. 

Queria dizer a ela que não se deve acreditar em tudo o que as pessoas dizem. O que tem de sobra nesse mundo é gente má, e só nos resta ignorar.

Ela deu um passo errado e foi rodeada por gente que na verdade a queria longe. Chama de amigos aqueles que querem qualquer coisa menos o seu bem. Sente que todo dia é uma guerra, e ela não é mas corajosa o suficiente pra lutar contra o mundo. 

Quando esta triste a alma não dói. Na realidade tudo se transformou em um marasmo total. A dor adormeceu dentro do corpo e começou a atender por ''velha companheira''. 

-Pobre garota!

Eu queria poder salva-la, mas não posso. Só quem pode é ela mesma.

6 comentários:

  1. Gente. Como. Eu. Amo. Os. Textos. Da. Paloma.
    <3
    Um beijo ;*
    http://calmomila.com

    ResponderEliminar
  2. Nos deixamos levar por uma palavra mal falada , um ato que deveríamos ignorar , e por fim acabamos caindo . Nossa alma , corpo , tudo dói , parece não ter fim . Nos não damos conta de reerguermos ai vemos uma pessoa que sempre nos amou e se importou ajudando-nos a caminhas . Deus !
    Amei *-*
    Bjnhs

    http://karoline-caro-sonhador.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por esse comentário Karoline. Estava precisando dele ♥

      Eliminar
  3. Adorei essa crônica. Me identifiquei tanto com a personagem.
    Você escreve muito bem.
    Um beijo <3

    Nayandra,
    www.ultimobiscoito.com

    ResponderEliminar