sábado, 20 de fevereiro de 2016

Resenha: Eleanor e Park

Ta ai um livro que estava parado na minha estante a meses. Pra falar a verdade comprei ele na Bienal de 2014, mas só ano passado peguei pra ler. Iniciei a história, gostei do enredo e depois empaquei de novo. O motivo é o mais ridículo de todos, sai com o livro na mochila e de repente uma tempestade estragou ele e todos os meus cadernos também (que ótimo né?). As páginas ficaram todas coladas (por causa da água) e cheias de manchas. Deixei ele secar por um tempão e na hora de ler de novo desanimei, já tinha me interessado por alguma outra história. Pois eis que nas férias lá vou tentar ler este bendito (e sofrido) livro de novo. Finalmente consegui e foi uma leitura super rápida. Eleanor e Park me conquistou e fez eu querer me tornar amiga dos dois protagonistas. Por que eu contei essa história toda e não fui direto ao ponto? Não faço a menor ideia. Então bora pra sinopse!

Sinopse:
Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.
Neste livro conhecemos Eleanor, uma jovem deslocada, que após um tempo fora de casa volta a viver com a mãe e o padrasto. A garota é gordinha, com cabelos ruivos e cacheados e se veste de uma forma diferente e estranha. É impossível não nota-la, e logo os colegas da escola a escolhem como alvo de chacota. Também temos Park, só o que o torna um pouco diferente das demais pessoas é o fato de ser descente de coreanos, sendo assim, ele consegue não ser incomodado por os outros e levar uma vida tranquila. Tudo o que ele quer é não ser notado. A vida dos dois se cruzam quando passam a sentar um do lado do outro no ônibus. No inicio parecia que nem uma amizade surgiria dali, afinal, Park não queria ser visto conversando com uma garota daquelas (isso atrairia atenção demais pra ele) e Eleanor acreditava que aquele era só mais um dos alunos cruéis da escola. 

As coisas começam a mudar quando Park percebe que a garota vive de olho nos gibis que ele lê no ônibus. A partir dai ele começa a trazer pilhas de histórias em quadrinhos para Eleanor e até algumas fitas cassete com músicas que ele gosta. O amor entre os dois vai surgindo graças a esses pequenos gestos.
Eleanor e Park tinha tudo pra ser mais um romance clichê adolescente se não fossem alguns temas pesados abordados no livro, como bullying, a importância dos padrões de beleza e problemas familiares. A nossa protagonista, além de ter de lidar com brincadeiras humilhantes na escola, tem que conviver com o padrasto bêbado e mal caráter que abusa emocionalmente de todos ao seu redor. A situação em sua casa é precária, faltando comida e até roupas. Totalmente o contrário do lar de Park.
 
Um detalhe que me fez amar ainda mais essa história são as bandas que o Park apresenta a Eleanor. Li o livro com essa trilha sonora tocando nos meus fones de ouvido. Alias, agradeço a Rainbow Rowell (a autora) por ter me apresentado algumas novas canções e essa banda maravilhosa que é a The Cure (sou dessas que pesquisa músicas e bandas citadas em livros). The Smiths também faz parte do caso de amor dos dois jovens ♥ 
Os personagens secundários são idênticos as pessoas com quem temos que lidar na escola desde novinhos. Tem a garota com crises de superioridade e que adora debochar dos outros pra se sentir maior. E o garoto que da apelidos e faz tipicas brincadeiras idiotas com as pessoas pra mostrar quem é que manda. 

Também temos os irmãos de Eleanor, que não passam de crianças facilmente influenciáveis e amedrontadas por seu padrasto. E sua mãe, que apesar de ser constantemente agredida, se faz de cega para tudo o que acontece em casa.
Ainda não tenho opinião definitiva sobre o final da história. Mas adianto que é daqueles em que você fica procurando uma página depois da ultima, por que tem certeza que não acabou daquele jeito.

Enfim, Eleanor e Park é um romance intenso e delicado ao mesmo tempo. É como ler sobre as coisas que você sentia quando teve seu primeiro amor. Os protagonistas são amáveis e te farão ter vontade de entrar de verdade naquela história. Um romance fofo, mas ao mesmo tempo imperfeito e cheio dos problemas da vida real. Uma leitura apaixonante.

Eu vou ficando por aqui e espero que vocês tenham curtido essa resenha. Alguém ai já leu? O que achou? Me conte aqui nos comentários! Alias, tão sabendo que vai virar filme?!!

Beijos e até o próximo post ♥

6 comentários:

  1. Nunca li uma crítica negativa deste livro. Ele está na minha lista de "por ler" há muito tempo. Depois desta resenha deu vontade de passá-lo à frente e ler logo. rs

    http://aquelaepifania.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah história é um amor Eliza, tenho certeza que você irá gostar :)

      Eliminar
  2. ESSE LIVRO EH MINHA VIDAAAAA, amo demais e é um dos melhores que já li, e sério, nenhum livro dessa autora consegue ser ruim, amoo demais !! Já estou seguindo bjss, adorei seu blog

    mecsss.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A história é maravilhosa né Maria? ♥
      Tô louca pra ler os outros livros da autora!

      Eliminar
  3. tenho muita vontade de ler esse livro (e os outros da autora). até hoje não vi ninguém falando mal desse (:
    descobri que tem 'fangirl' na biblioteca da faculdade e vai ser o primeiro que vou pegar emprestado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou morrendo de vontade de ler Fangirl! Li a sinopse e gostei bastante.

      Eliminar